quarta-feira, 2 de março de 2016

O ILUSIONISMO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL


O leitor normal não tem ou tem escasso poder meditativo sobre a racionalidade de um contexto real assolapado na informação que os detentores da comunicação dita social, em regra, obliteram à mercê dos seus interesses e sentimentos, incompatíveis com esse mesmo contexto.
O leitor normal lê o sentido literal do termo e é isto que o autor do mesmo conhece e pretende, sentindo-se inimputável na sua mascarada da realidade, da verdade factual.
Inimputável se considerando o dito autor, sente-se objectivo na sua subjectividade e rigorista na sua aberração ao rigor informativo. Assim, ele pode insinuar um motivo ou situação ilusórios através do verbo, consoante a intencionalidade iníqua e parcial correligionária, na fútil tentativa de enaltecer o desvalor do seu afectivo e apoucar o valor de quem o ensombra no seu sentimentalismo fundamentalista e no seu interesse de mercenário.

Desprezo nesta apreciação, naturalmente – seria um mérito disforme a um conspurcado demérito – a parcialidade desbragada, de fossa a céu aberto, que essa (des)informação nos patenteia quase ininterruptamente, sendo ela tão impudente e petulante que até os mais cegos a topam a quilómetros, situados eles, ou não, naquele cantinho estratosférico aos mesmos reservado no Alvalade XXI. De resto e a talhe de foice, este cantinho, se cego o não quer usufruir, só serve para lixo e talvez por tal se já tenha lido conhecer-se o recinto total de que faz parte por “alvalixo” em vez de Alvalade.


O que especificamente se aprecia nesta análise são os títulos com que se encimam as respectivas notícias sobre os resultados económicos das SAD.s dos ditos três grandes. O meio informativo é o “jornal de negócios” de ontem.
Relativamente ao SCP, temos o seguinte título, bem ilustrativo da camuflagem pretendida:

«Caso Doyen leva Sporting para prejuízos de 18 milhões».

Tomado à letra, o título é eufemisticamente sugestivo. A responsabilidade pelos 18 milhões de prejuízo é da Doyen, não da administração da SAD do Sporting. Esta, na tentativa sibilina do noticiador, será uma “santinha” bem arredia da maldade gestionária sua. O facto de essa mesma administração ter sido a causadora do “caso Doyen” não lhe carimba a mínima mácula, conquanto e segundo a decisão de um tribunal competente os milhões “contagiosos” dos resultados à Doyen pertençam.
E o aumento de quase 100% nos custos com o pessoal, neles incluindo o ordenado do administrador e palrador facebookiano mor, este, aliás de 100% limpinhos, limpinhos?!
Por este andar, será surpresa que um dia – por acaso e só por acaso, naturalmente – seja noticiado pelo mesmo noticiador ou outros equivalentes, que os há em turba, que a SAD sportinguista deu prejuízos porque os bancos credores – e só sublinhamos estes, também por acaso! – resolveram exigir o que lhes pertence e aquela deve?!


Passemos à notícia sobre os prejuízos da SAD do FCP, mais sibilina na sua camuflagem e menos compassiva no seu concreto:

«FCP mais do que duplica perdas no primeiro semestre fiscal».

O FCP não teve prejuízos, teve “perdas”! E “perdas” é o que pode acontecer a qualquer do comum dos mortais, nada que espante! Os Super-Dragões não precisam de se aborrecer por tão pouco, muito menos com o também relevante aumento de despesa com a rapaziada que serve o seu clube, muito bem compensada por zero títulos nestes últimos dois anos! Pode ser que à terceira seja de vez!
Mas hás aqui nítidas e atentatórias – comparativamente ao tratamento dado a “lagartos” – maldades! Em primeiro lugar, escarrapacha-se o verbo “duplica” o que, em tais desventuras, não tem piada nenhuma! Ninguém precisava ser chamado à atenção para as equivalências! Acresce que o noticiador não conseguiu aprontar nenhum bode expiatório dessas desditas, numa mesquinha dualidade de acolhimento! E aqui, sim, os Super-Dragões já têm motivos para se enfadar!


Debrucemo-nos, finalmente, sobre a notícia relativa aos resultados obtidos pela SAD do Benfica, de resto, a primeira a dar à estampa, assim tipo para-choques, um airbag de amparo e camuflagem das desgraças vizinhas.

«Lucros do Benfica caem 61,6% no primeiro semestre».

Como se vê, o enfoque da notícia não recai sobre os lucros da SAD. O que se destaca é o número percentual, um número “bombástico e arrepiante”, de uma queda. Não é insinuar sequer a irrelevância do resultado económico positivo! Naturalmente, a intencionalidade do título é acentuada na frase da notícia que desenvolve aquele:
«a SAD do clube das águias registou perdas de 7,23 milhões de euros no segundo semestre».
Exigir do autor noticioso – uma autora, por sinal – que desse ênfase ao facto de a SAD do Benfica ter sido a única que deu lucros seria demasiado para a sua paixoneta assolapada na pequenez dos seus amores e na grandeza do seu arreigado complexo de inferioridade.


Não nos incomoda esta disfunção noticiosa. Damos-lhe apenas o relevo consentâneo com a nossa congénita necessidade de rir e sorrir, que riso e sorriso são saudáveis ao quotidiano do ser. Acresce que o bobo da corte já nos enfrascou de tanto riso e sorriso que agora suas momices e lengalenga facebookiana até nos enfastia pela saciedade com que tais divertimentos nos foram servidos por tão pitoresca e pacóvia personalidade.
Certo, muitos de nós, a maioria dos portugueses que se encontra agregada no colinho da Família Benfiquista – e alguns outros, mais alérgicos à patusca informação que nos pretendem impingir – pensariam que seria muito mais verdadeiro, objectivo e rigoroso que se confrontassem, por exemplo, os proveitos operacionais das três SAD.s. Se confrontassem os proveitos da SAD do Benfica – 64,87 milhões de euros – com os das outras SAD.s em destaque – os míseros 37,5 milhões de euros da SAD lagarta, pouca acima de metade da do Benfica, e os bem pouco superiores 42,75 milhões de euros da SAD do FCP.
Mas escapava-nos a diversão que a ficção ilusionista dos pontas de lança do complexo de inferioridade nos proporciona! 

9 comentários:

  1. a manipulação dos dados por parte dos jornalistas e mesmo um caso de policia , digo eu

    ResponderEliminar
  2. em Portugal neste momento não adianta fazer queixas contra jornalistas mafiosos azuis e verdes basta ver o exemplo que da CS e a ERC ..

    ResponderEliminar
  3. chama-se a isso jornalismo de sarjeta, com jornalistas vendidos

    ResponderEliminar
  4. A comunicação social desportiva foi tomada de assalto pela “máfia” verde-azul

    ResponderEliminar
  5. Caríssimo amigo, de volta após longa ausência!
    Também andei um pouco afastado destas lides, mas voltei no mês passado.

    Abraço Glorioso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem-vindo caríssimo Benfiquista! O meu amigo é que parece ter andado desaparecido! Já fui ao Brasil, por lá andei quase um mês! E já lá vão quase, quase dois anos! E o meu amigo sem aparecer!
      É claro que a minha disponibilidade para estas coisas, de há tempos para cá, tem sido escassa. Nem tempo para ver os blogues amigos! E até o meu!
      Abraço Glorioso.

      Eliminar
  6. chama se a isso tapar o sol com a peneira,

    ResponderEliminar
  7. O meus estimados Manuel e Gil Vicente de volta e a postar. Excelente notícia!
    Gil, fico sempre com a sensação que os medíocres se abrigam cada vez mais na profissão fácil em que se tornou o jornalixo.
    Para acrescentar, ou são todos obedientes a ditames de marketing e vendas - o que interessa é maldizer o Benfica porque vende - ou em alternativa é-se dragarto porque se é medíocre.
    Tenho duvidas sobre qual será mais verdade. Todo este cerco ao Benfica não pode ser só por razões editoriais, acho mesmo que os medíocres se tendem a agrupar e proteger uns aos outros, tornando cada vez mais as redacções em algo abominável. Não que a mim isso me incomode, já só me provocam sorrisos e desprezo, mas não é possível mascarar que arrastam na formação de opinião muito bom Benfiquista, menos atento.

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Caro amigo Gil, foi pena não ter dito que vinha para terras de Vera Cruz!
    Em Maio estarei em Lisboa e no Benfica-Nacional, quem sabe a festejar o 35!!!

    Abraço.

    ResponderEliminar