quinta-feira, 3 de Abril de 2014

A descoberta da intenção ... sem intenção

A maior descoberta do século XXI é portuguesa, graças a Deus. Veio ela prestigiar alguns "investigadores" da "doutíssima" justiça desportiva portuguesa e um conselho de amigos dos intencionados sem intenção!

Ao que consta, parece ainda não haver atribuição de prémio Nobel para a filosofia e para os filósofos. Se houvesse, a sua atribuição nunca mais sairia de Portugal porque alguns portugueses são mestres renitentes na dita.

De facto, qual o(s) filósofo(s) que mais poderia(m) descobrir uma intenção ... sem intenção?
Uns ditos justiceiros de um conselho de amigos!
E só em Portugal! 

quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

Os "ratos" das Antas

Na sua edição on line, o senhor censor Serpa esqueceu-se hoje do lápis vermelho. De facto, deixou que o seu jornal publicasse:

... BENFICA
Dragões já estão em Frankfurt ...


O BENFICA é o MAIOR CLUBE DO MUNDO em associados, é o MAIOR CLUBE DE PORTUGAL, é o MAIOR EM MUITAS E MUITAS COISAS.

Mas tenha lá um pouco de paciência, senhor censor Serpa!

O BENFICA NÃO TEM NEM QUER TER RATOS!




PS a) : E eu que até julgava, como a grande maioria dos Benfiquistas, que eles, os ratos, estariam, por estas horas, em LEVERKUSEN!

Ou seria em DORTMUND?!!!


PS b) : Parece que o senhor censor Serpa acordou mesmo, mesmo agora!

segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2014

Só os ratos é que fogem ...

Mito ou verdade?

VERDADE!

Uns fogem da PSP, outros fogem das matracas dos macacos, outros fogem dos arrastões das estações de serviço nas autoestradas, outros fogem do afundanço das contas!...


Ah! E já me esquecia!!!


OUTROS FOGEM DA JUDITE PARA VIGO!

sexta-feira, 21 de Fevereiro de 2014

A coerência trintona da justiça desportiva portuguesa

Ninguém do Sporting me pediu para ser seu advogado de defesa nem eu me sentia com dotes técnicos para o efeito. Mas, mais do que isso, nem eu jamais aceitaria ser seu defensor. Posto isto, o que me interessa aqui criticar é a pobreza de uma argumentação jurídico-factual, ainda por cima de juízes que o foram até de instâncias superiores. Deixo só este exemplo que é significativo:

«A relativa insignificância deste atraso ( 3,5 minutos) cria óbvias dificuldades em perceber como é que o mesmo pode ter sido provocado dolosamente, com o objetivo de prejudicar o SCP, pois, dois minutos numa partida de futebol é obviamente muito pouco tempo para gizar um qualquer plano de contingência e o aplicar» (SIC).

Ainda há poucos anos, o MU virou o resultado de 0-1 em 2-1 em um minuto já dos descontos. E ganhou a Liga dos Campeões.

Já neste campeonato português, O Benfica virou o resultado de 0-1 em 2-1, num minuto e já no fim dos descontos, ganhando o jogo contra o Gil Vicente. 

O FC Porto acabou de classificar-se, segundo os "eméritos" juízes da CD da FPF, para as meias da Taça da Liga ... nos últimos segundos dos descontos. Ou seja, a menos de um minuto do fim do jogo, o FC Porto estava eliminado. 
Podemos assim concluir que, ao contrário do que escrevem os doutos juízes da CD da FPF - alguns de camarote no "Dragão" - em alguns segundos apenas, dos 3,5 minutos de atraso, o FC Porto "gizou um plano de contingência e aplicou-o". Afinal, perante uns míseros segundos que faltavam para acabar um jogo, os 3,5 minutos de atraso foram uma eternidade para o FC Porto.

Mas, se os meritíssimos juízes podem afirmar que os 3,5 minutos de atraso "é obviamente muito pouco tempo", por que não afirmar o seu contrário que até está cheio de exemplos e de que o próprio atraso que eles, juízes, julgaram constitui expoente mais significativo de comprovação?

São juízes com "dotes sapientes" de treinador. Que, pelo menos, não acudam, com tais "dotes" ao confundido treinador que empata com um clube e tem a certeza de que vai eliminar outro, julgando ter até jogado com um terceiro. 
Deixem lá este treinador sossegadinho com suas alucinações.


Concluindo, só os ingénuos é que ainda podem acreditar no Pai Natal da justiça desportiva portuguesa. A conclusão só a esses pode ter surpreendido.

sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014

A Liga da imbecilidade


Quando o Sábio aconselhou o imbecil a ficar calado porque ninguém se iria esquecer de assim o considerar, manifestando-o incondicionalmente, não contou com as variáveis de uma caquexia no Dragão nem com a bazófia empenachada e balofa do bairro do Lumiar.
No fundo, no fundo, o Mestre não considerou na sua equação a ordinarice mestrada de cretinice que coenvolve doentiamente os complexos de inferioridade perante a Suprema Majestade que é o Glorioso Benfica.

O imbecil, de facto, não cala a sua imbecilidade, apregoa-a! E esforça-se, até com o êxito apropriado ao idiota, por sublimar 0 imbecil seu comparsa na idiotia um sustentáculo da pataratice!

A idiotice ordinária não se vende pela metade, exalta-se no limbo da sua superação! Bem pode a ordinarice confrade lamentar-se de que, no que lhe tange, o vendedor o não tenha sublimado a nível tão elevado! Caquexia à parte, há uma ordinarice mais igual do que outra ordinarice!

Não se pronuncie o Sábio pela excepção. Moutinho foi apenas uma “ausência” da cerebrastenia. A celebração da imbecilidade exultava apenas a submissão incomplacente.
Em Hulk, o custo da ordinarice sobrestimava as várias agências da promoção imbecil. E, esmifrado, não se pode concluir que o preço tenha sido pela metade. A carteira de acolhimento é que é diferente.

Certamente que o Mestre se não esqueceu de Danilo!   

Temos, assim, que, nos tempos mais próximos passados, os imbecis se empatam na disputa da sua superação publicitária.

quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014

A ordinarice


Há, todos o sabemos, algumas personagens – ou com presunção de o serem – que nos patenteiam de uma forma cristalina a sua ordinarice. Nos seus gestos, nas suas mesuras, nas suas cretinices, na sua impertinência, nas suas presunçosas prosápias, nas máscaras das suas invejas mesquinhas, nas suas desesperadas tentativas dissimulatórias do seu provincianismo e do seu complexo de inferioridade que, de tanto se esforçarem por o esconsar, mais o evidenciam.

No domingo passado, o Benfica venceu o FC Porto, como todos sabem e os actores da cretinice ordinária também. Foi Jorge Jesus, foram alguns jogadores entrevistados findo o evento que sublinharam: “o Benfica ainda nada conquistou apenas ganhou três pontos”.
Primeiro no tempo e mais claras ainda foram as palavras de Luís Filipe Vieira:

«O Benfica só ganhou três pontos, já no próximo domingo há outro jogo para ganhar».

Para vender jornais e colher audiências, as fanfarras do costume orquestraram os mais diversos arranjos, cada qual à medida da sua orquestra e do seu coro. “O Benfica é o campeão de inverno para aqui, o Benfica é o campeão de inverno para ali”.
Sinfonia desarmoniosa e sem criatividade que, para o Benfica e para os Benfiquistas, não tem sumo que lhes mereça um olhar sequer de desdém.

Mas já o tem, e suculento, para a ordinarice que se baba na cloaca dos dejectos que ela considera pitéu do seu dejejuadoiro.
Não direi que a diferença se percebe porque a diferença é diáfana e não autoriza a mera percepção.
O Benfica celebra as suas vitórias!
A ordinarice celebra as derrotas dos outros!

Seria fácil de concluir como o grande pensador:

«Bem te podes calar. Os outros irão falar que és imbecil mas, pelo menos, escusas de dizê-lo»

Mas a ordinarice vive endemicamente unida à sua auto publicidade.

domingo, 5 de Janeiro de 2014