domingo, 7 de Setembro de 2014

A CULPA É DO MÉDICO ... DEMITIDO!






DEMITAM O ... MÉDICO!

CARAGO!

quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

O JORNALISTA E O JORNALEIRO

Acabada a época do arraial, descansados do foguetório tonitruante, é tempo de uma sinopse. O Benfiquista está farto da gargalhada, presenteado que foi (e é sempre, por graça do Glorioso) pelos imensos bobos que pululam na corte dos “media” em seu frenesim de truanice.



Em Portugal há muito pouco jornalista e rebanhos de jornaleiros. Aquele, munido de seu sentido ético, recata-se no rigor, na objectividade e na verdade do seu noticiário e do seu sentido crítico. Este, sem ofensa do que na terra retira o sustento de seu empregador e o seu, baba-se na jorna que o seu mercenarismo se esforça por magicar, no delírio fecaloide de sua ética, no rastejo que adquiriu em sua gestação.
Vamos a factos do jornaleiro.



No chafurdo palavroso do jornaleiro, a frase “campeão nacional” escapuliu-se, julgando, em sua cloaca bafienta, que os Benfiquistas ficaram órfãos do seu CAMPEÃO.
Asnos!
Asnos ao quadriplete que tal ou tais frases em bocas inundadas de surro ficariam tão conspurcadas que … assim é melhor! Ficam o Benfica e o Benfiquista em ambiente mais sadio! E os jumentos mais empanturrados na sua asnice.

Na sua embófia, o jornaleiro arrimadiço faz algazarra com o “comboio” sérvio e goza do orgasmo provocado pela alforria afiançada de uma uefa prostituída nos contentores de espanholada.
Se bem me lembro, é a mesma uefa que, atacada de delirium-tremens em tempos não muito idos, afiançava em sua alucinação não admitir batoteiros corruptos em suas provas futebolísticas.
Parece, porém, que por vezes é preciso ter cuidadinho como se olha para esta bastarda, não vá o mirante ser castigado pela sua mirada de destempero ao alforreca que a encima.

Jornaleiro há que, ufano de sua ignorância ao serviço da jorna, escrevinha ser “Enzo esperado esta quinta-feira em Valência” …
É certo que (quase) todo o alucinado tem um reflexo de sinapse e os seus neurónios até podem magicar algo num vislumbre de luz. O jornaleiro de cima bem que podia nebulizar a sua quinta-feira.
Não foi o caso. A sua quinta-feira era, assim o atestou, a do dia 7 de Agosto!
O avião transportador fez greve ao seu devaneio. E a jorna desse dia …

Novidade, ou nem por isso, é haver jornaleiro que, em nome de qualquer clube ou clubezeco e sem procuração, já se sente com esperteza (saloia) de desmentir o Maior, o Glorioso. Quem desmentiu a oferta de Oblac à proveniência?
Não foi o seu clubezinho actual, foi um jornaleiro qualquer como qualquer puta ofendida que se preze.



A carraça é um bicho nojento e repulsivo que deve ser tratado em banho de frontline. É um parasita que, nas suas “certezas” de cágado, regurgita mais de noiva rejeitada do que de acerto nas suas previsões de sanguessuga.
A parasitagem está justificada. Com alucinações tamanhas nunca ganhará o euromilhões.

 

Bruno das nádegas é uma cigarra cuja cantiga vai tornando a vida menos penosa para os Benfiquistas num país de cortes de tudo quanto é seu bem-estar, proporcionando-lhes minutos de lazer com sua verborreia de bisonte esganiçado. Uma vez por outra, cai em si e diz um acerto, tal a menção sobre o presidente da filha bastarda da imortal Associação Académica de Coimbra que está sempre à espera do comando que o faça virar a cabeça para a esquerda ou para a direita.
Mas errou no número das nádegas o que não admira porque errar é o seu verbo. Cigarrou duas nádegas, mas esqueceu-se das nádegas do Carrilho que, de resto, lhes deram bom presunto. Quem não esteve pelos ajustes foi Artur o qual, perante milhões, lhe estampou a cegueira das suas previsões, em directo e ao natural.



E, por mor do Amor ao Glorioso! Não se venha agora desculpar o inventor das nádegas do Carrilho com as grandes penalidades ou outras defesas bem conseguidas. Se não é essa a sua missão natural, se não é para isso que ele lá está e lhe pagam, então entregue-se-lhe guia de marcha!

O que não é de sua missão é agora andar a descobrir nádegas de quem quer que seja! Para isso, já temos Bruno das nádegas! 

quinta-feira, 3 de Abril de 2014

A descoberta da intenção ... sem intenção

A maior descoberta do século XXI é portuguesa, graças a Deus. Veio ela prestigiar alguns "investigadores" da "doutíssima" justiça desportiva portuguesa e um conselho de amigos dos intencionados sem intenção!

Ao que consta, parece ainda não haver atribuição de prémio Nobel para a filosofia e para os filósofos. Se houvesse, a sua atribuição nunca mais sairia de Portugal porque alguns portugueses são mestres renitentes na dita.

De facto, qual o(s) filósofo(s) que mais poderia(m) descobrir uma intenção ... sem intenção?
Uns ditos justiceiros de um conselho de amigos!
E só em Portugal! 

quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

Os "ratos" das Antas

Na sua edição on line, o senhor censor Serpa esqueceu-se hoje do lápis vermelho. De facto, deixou que o seu jornal publicasse:

... BENFICA
Dragões já estão em Frankfurt ...


O BENFICA é o MAIOR CLUBE DO MUNDO em associados, é o MAIOR CLUBE DE PORTUGAL, é o MAIOR EM MUITAS E MUITAS COISAS.

Mas tenha lá um pouco de paciência, senhor censor Serpa!

O BENFICA NÃO TEM NEM QUER TER RATOS!




PS a) : E eu que até julgava, como a grande maioria dos Benfiquistas, que eles, os ratos, estariam, por estas horas, em LEVERKUSEN!

Ou seria em DORTMUND?!!!


PS b) : Parece que o senhor censor Serpa acordou mesmo, mesmo agora!

segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2014

Só os ratos é que fogem ...

Mito ou verdade?

VERDADE!

Uns fogem da PSP, outros fogem das matracas dos macacos, outros fogem dos arrastões das estações de serviço nas autoestradas, outros fogem do afundanço das contas!...


Ah! E já me esquecia!!!


OUTROS FOGEM DA JUDITE PARA VIGO!

sexta-feira, 21 de Fevereiro de 2014

A coerência trintona da justiça desportiva portuguesa

Ninguém do Sporting me pediu para ser seu advogado de defesa nem eu me sentia com dotes técnicos para o efeito. Mas, mais do que isso, nem eu jamais aceitaria ser seu defensor. Posto isto, o que me interessa aqui criticar é a pobreza de uma argumentação jurídico-factual, ainda por cima de juízes que o foram até de instâncias superiores. Deixo só este exemplo que é significativo:

«A relativa insignificância deste atraso ( 3,5 minutos) cria óbvias dificuldades em perceber como é que o mesmo pode ter sido provocado dolosamente, com o objetivo de prejudicar o SCP, pois, dois minutos numa partida de futebol é obviamente muito pouco tempo para gizar um qualquer plano de contingência e o aplicar» (SIC).

Ainda há poucos anos, o MU virou o resultado de 0-1 em 2-1 em um minuto já dos descontos. E ganhou a Liga dos Campeões.

Já neste campeonato português, O Benfica virou o resultado de 0-1 em 2-1, num minuto e já no fim dos descontos, ganhando o jogo contra o Gil Vicente. 

O FC Porto acabou de classificar-se, segundo os "eméritos" juízes da CD da FPF, para as meias da Taça da Liga ... nos últimos segundos dos descontos. Ou seja, a menos de um minuto do fim do jogo, o FC Porto estava eliminado. 
Podemos assim concluir que, ao contrário do que escrevem os doutos juízes da CD da FPF - alguns de camarote no "Dragão" - em alguns segundos apenas, dos 3,5 minutos de atraso, o FC Porto "gizou um plano de contingência e aplicou-o". Afinal, perante uns míseros segundos que faltavam para acabar um jogo, os 3,5 minutos de atraso foram uma eternidade para o FC Porto.

Mas, se os meritíssimos juízes podem afirmar que os 3,5 minutos de atraso "é obviamente muito pouco tempo", por que não afirmar o seu contrário que até está cheio de exemplos e de que o próprio atraso que eles, juízes, julgaram constitui expoente mais significativo de comprovação?

São juízes com "dotes sapientes" de treinador. Que, pelo menos, não acudam, com tais "dotes" ao confundido treinador que empata com um clube e tem a certeza de que vai eliminar outro, julgando ter até jogado com um terceiro. 
Deixem lá este treinador sossegadinho com suas alucinações.


Concluindo, só os ingénuos é que ainda podem acreditar no Pai Natal da justiça desportiva portuguesa. A conclusão só a esses pode ter surpreendido.

sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014

A Liga da imbecilidade


Quando o Sábio aconselhou o imbecil a ficar calado porque ninguém se iria esquecer de assim o considerar, manifestando-o incondicionalmente, não contou com as variáveis de uma caquexia no Dragão nem com a bazófia empenachada e balofa do bairro do Lumiar.
No fundo, no fundo, o Mestre não considerou na sua equação a ordinarice mestrada de cretinice que coenvolve doentiamente os complexos de inferioridade perante a Suprema Majestade que é o Glorioso Benfica.

O imbecil, de facto, não cala a sua imbecilidade, apregoa-a! E esforça-se, até com o êxito apropriado ao idiota, por sublimar 0 imbecil seu comparsa na idiotia um sustentáculo da pataratice!

A idiotice ordinária não se vende pela metade, exalta-se no limbo da sua superação! Bem pode a ordinarice confrade lamentar-se de que, no que lhe tange, o vendedor o não tenha sublimado a nível tão elevado! Caquexia à parte, há uma ordinarice mais igual do que outra ordinarice!

Não se pronuncie o Sábio pela excepção. Moutinho foi apenas uma “ausência” da cerebrastenia. A celebração da imbecilidade exultava apenas a submissão incomplacente.
Em Hulk, o custo da ordinarice sobrestimava as várias agências da promoção imbecil. E, esmifrado, não se pode concluir que o preço tenha sido pela metade. A carteira de acolhimento é que é diferente.

Certamente que o Mestre se não esqueceu de Danilo!   

Temos, assim, que, nos tempos mais próximos passados, os imbecis se empatam na disputa da sua superação publicitária.