terça-feira, 9 de outubro de 2018

O VENTRÍLOQUO DO INDIGENTE MARQUES




O grupo “Cofina” – o jornal das canalhices da manhã, a folha de couve da revista “sábado”, a televisão das canalhices da manhã, da tarde, e da noite – dedicou-se durante bastante tempo a ser o eco das traquinices criminosas do Xico Marques nas suas diatribes truncadas e das suas quiméricas conclusões.

Especialista na violação e em ser câmara de ressonância das violações do segredo de justiça, entretinha-se na réplica, ela outrossim criminosa, das merdices criminosas que o Xico Marques foi debitando naquele canal que dizem pertencer e é gerido pela escumalha da verdade desportiva de Contumil mas pago pelos nossos impostos e em especial pelos impostos dos munícipes das câmaras municipais das vizinhanças.



A verdade é que a prática criminosa do Xico Marques, na divulgação de correspondência privada, roubada e receptada, levou-o à constituição de arguido e a fechar a matraca sobre estes temas.

Até aqui, a justiça parece ter-se portado como Justiça, tanto a civil que lhe proibiu o débito das truncagens a preceito, como a criminal que, em passo de caracol, dá a impressão de ir fazendo alguma coisa de prestável.

O grupo “Cofina” apagou-se como caixa de ressonância, deixou de ter palreio de charlatanice para reflectir e fazer ouvir a sua própria charla labrega. Mas, evidentemente, que tem outros, muitos outros desvios para continuar enlameada na trampa da sua pantominice.  



O grupo “Cofina”, para além de um procurador-geral da república que é um prático na labregada, tem uma certa Tânia Laranjo que, pelas excelsas qualidades demonstradas na arte da costura dos dejectos, ficou mais conhecida pela Tânia dos Arranjos requentados à moda do “papa” das mentiras, e actualmente, segundo consta, também um “papa” alado, que ele se mostra um (desprezível) anjinho para intrujar os papalvos.



Tânia dos Arranjos e seus compinchas começou, há algum tempo, no tempo que o Xico Marques acharia que era tempo do desvio de atenções, por escrever o relambório de uma notícia que ela reciclou de uma velha notícia que fora escrita no seu burgo de charlatanice, por ela ou por igual, acerca de umas imaginárias, nos seus delírios, prostitutas que ela teimava conhecedoras de Paulo Gonçalves, apesar de, não lhe fazendo a vontade que ela pretendia para justificar a sua charla, elas responderem até à exaustão que não conheciam o cara.

Era uma notícia que a sua devaneação compulsiva queria bombástica mas que tinha sido noticiada e cabalmente desmentida, veja-se só, pelo seu chefe, o procurador-geral da república da alcova do charlatanismo e da trapaça, ofensivamente ditos de o “puro” jornalismo.



Tânia dos Arranjos e seus curandeiros da ética jornalística não são de meias tintas. O seu FCPorto foi humilhado na Luz pelo bom futebol e nem as ajudas tantas do Veríssimo e do VARíssimo o salvaram, até porque, valha-nos isso, ainda ninguém autorizou um árbitro a marcar golos, ou algum destes teve a desfaçatez de o fazer.

Então, Tânia dos Arranjos ditos intrujantemente de jornalísticos, com seus muchachos, recicla mais uma notícia, agora sobre o destino dos aparelhos electrónicos do Presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira. E apresenta a coisa como se na sua delirante fantasia estivesse a fazer um trabalho literário que lhe merecesse, no mínimo, o prémio Nobel da Literatura!



Não era nem é só o Brunalgas no seu relambório facebookiano que tinha e tem a compulsão doentia da mentira e que, dizia-se, precisava de tratamento adequado. Trapaceiro e criminoso não é só o Xico Marques.

Repare-se!

A notícia sobre a posse judiciária do iPad e do smartphone (ou iPhone, tanto faz) de Luís Filipe Vieira já a PJ levou há um ano!

Mais!

Foi o próprio Luís Filipe Vieira que deu a notícia em entrevista à BTV em 9 de Novembro de 1917, acrescentando que os PJotas podiam levar tudo o que quisessem!









Tânia dos Arranjos e seus garotos do jornalismo que por embuste pretende ser Jornalismo, sabe curtir as dores do “anjinho da paz” incendiário da guerra, um “bombeiro” que queria Lisboa a arder e os mouros mortos no incêndio.

Tânia dos Arranjos da intrujice jornalística quer fazer esquecer a fuga das contas da SAD sua querida, sem se preocupar em investigar se elas não terão fugido para Vigo, não venham elas a ser detidas pela troika uefeira que as tem intervencionadas.



O grupo “Cofina” fantasia-se espectacular. A sua TV até engana os seus, cada vez menos, telespectadores, enganando-os com anúncios de entrevistas exclusivas a advogados. Entrevistas exclusivas a advogados com que se depararam na esquina da rua, chamam-lhe eles na sua compulsão bombástica do logro, que se resumem a isto:



«Olhe eu não vim aqui por causa desse assunto e não cria estar a prestar declarações publicamente. Portanto não vai levar a mal que eu não desenvolva grande coisa. Eu vou-lhe responder como respondemos publicamente a semana passada. Não vamos fazer quaisquer prognósticos. A única coisa que lhe digo é a mesma coisa que dissemos os 3 em colectivo publicamente. Nós temos muita convicção nos nossos argumentos. Respeitamos a acusação… Não quero acrescentar mais nada para além disso publicamente. A discussão faz-se no processo»



Tânia dos Arranjos e seus compinchas do engano jornalístico, agora só conseguem arranjar notícias “cheia de nada”?!

Pois é! Quem não tem mais do que competência para o disparate, para o charlatanismo jornalístico, termina a falar sozinho num bem merecido desprezo! É que já muito poucos, só os da pandilha, se conseguem sequer divertir com as suas diatribes!



Um conselho, Tânia dos Arranjos! Em vez de tentar continuar com as suas fantasias de costureirinha de Alfama, a poluir o jornalismo que é Jornalismo, dedique-se à poluição das águas do Tejo pela compincha do seu grupo, a Celtejo!

Talvez pudesse aprender um poucochinho que fosse de jornalismo que é Jornalismo!



De facto, Tânia dos Arranjos, até a Procuradoria-Geral da República te desmente e ao teu curral enlameado na charlatanice burlona do jornalismo de sarjeta!

Afinal de contas, até as tuas, e do teu grupo, toupeiras se cagam na tua diatribe!

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

A VIRGINDADE DO PROSTITUTO DA MORIGERAÇÃO




Começou o prostituto por fazer um auto de fé na sua virgindade morigerada, como é de bem-fazer de todo o prostituto que se torna no maior defensor da sua virgindade:



«Ao longo da vida tive sempre muitos amigos benfiquistas …»



Nós, Benfiquistas e não prostitutos do moralismo de pacotilha, não sabemos se o prostituto da morigeração teve ou não muitos “amigos” Benfiquistas. Sabemos apenas que o prostituto, desde que, ao lado do seu parceiro de então, Pedroto de seu nome, e ainda como mero director desportivo, destilava ódio ao Benfica e lançava as bases da violência contra tudo o que era Benfica. Jogadores, treinadores, dirigentes, árbitros que não prejudicassem o Benfica, disciplina que não castigasse o Benfica e quem era do Benfica.



Continuando nas suas derivas de defesa sua virgindade dos bons costumes, o deslavado prostituto adianta uma máxima que espelha com toda a clareza que este prostituo é um verdadeiro pregão duma pretensa morigeração:



«O futebol não pode ser uma guerra, tem de servir para unir o País»



A virgindade do prostituo pregoeiro da ética da mentira apenas nos faz recordar tempos de prédicas desde há cerca de 40 anos a esta parte, tais como expressos desejos de ver Lisboa a arder e os mouros (leia-se, Benfica e Benfiquistas) com ela, acrescidos de espúrias tentativas de uma espécie de rei (do crime) do norte, regionalista e separatista se manifestando nas fauces e olhares estrábicos expressivos de ódio ao sul.



Um prostituto tem naturalmente colegas, mesmo e por isso que se torne no seu chulo de estimação. Nós, Benfiquistas, compreendemos verdadeiramente que o prostituto se tenha de ancorar, em defesa de uma original virgindade, em algumas meias-culpas. Por elas se julga purificado e se imaginando miticamente não desflorado.

Compreendem-se, assim palavras como, «Eu sei que há indivíduos, talvez por necessidade, uma vez que a vida está difícil para todos, que têm de ir para programas televisivos dizer alarvidades e criar um clima que é lamentável. Mas a culpa não é deles. É de quem lhes dá guarida e os deixa espalhar o ódio permanentemente entre as pessoas.»



Sabe o prostituto e sabemos nós! Temos aí espelhados o singular FJMarques e os garotos do “baluarte do dragão”.

O insolvente, FJMarques, é o mais necessitado, com é da praxe consubstanciada no termo e sua significação.

Os garotos em busca de primeiro emprego não lhe pedem meças na necessidade e, acrescente-se em nome da verdade, na necedade que enforma todos eles, se incluindo a própria virgindade do prostituto.

Porque a culpa de que fala o prostituto não é efectivamente dos indigentes, mas de «quem lhes dá guarida e os deixa espalhar o ódio permanentemente entre as pessoas».



Não se acredita que o prostituto da morigeração, como actual bom pregoeiro da sua virgindade moralista, não saiba que quis e se viu bem reflectido no espelho da sua algibeira que serve de celeiro a toda a sua serôdia pregadura da sua imaginária moral dos bons costumes. Moral dos bons costumes que não passa de um travesti dos maus costumes, mentiras, tropelias, vigarices, que consubstanciam o seu ADN.

E o último pregão, por agora, o confirma. « … todos devem lutar dignamente com as armas que têm» …    

  

Exacto! Uns jogam com a lisura, a lhaneza, o respeito pela verdade desportiva, com cavalheirismo, fair play!

Outros jogam na mentira, na pressão sobre os árbitros, nas trocas e baldrocas de jogadores na busca, conseguida, do facilitismo, nas invasões de campo para interrupção de encontros que estão a correr mal, no pagamento de presuntivas dívidas que não constam dos relatórios e contas enviados à CMVM, no crime de divulgação de correspondência privada e, indiciariamente neste momento, de roubo ou, no mínimo, receptação de correspondência roubada, na truncagem desta correspondência que permita as conclusões desejadas de acusações imaginárias e congeminadas por mentes de prostitutos da morigeração virginal, nas tentativas de arrastar para a lama que é o seu leito natural, tentando rebaixar os outros ao seu nível de pequenez.



E já nem é preciso recordar o que todos os Benfiquistas, e não só, bem recordam! Os quinhentinhos, as viagens de férias pagas a árbitros, a “fruta”, os cafés com leite, os aconselhamentos matrimoniais de quem se está cagando para o matrimónio, as escutas do apito dourado espalhadas por todo o mundo.



Só o prostituto da ética desportiva sente realmente, nos tempos que se avizinham, necessidade de proclamar a sua virgindade. A coisa parece começar a descambar no campo da Justiça e pode demorar mas é capaz de chegar. E as conclusões poderão não ser cor-de-rosa para a virgindade do prostituto.

Já com imenso know-how nestas andanças da justiça, com vários assentamentos do traseiro nos bancos dos réus, o prostituto da verdade desportiva e da ética da mentira sabe a música toda de cor e salteada. Quando o aperto é maior, apologeticamente pede a protecção da Divina Providência, tal como no passado do apito dourado.

Para isso, tem de preparar-se com a devida contrição do engana papalvos.

E alguns justiceiros da nossa praça, não creio que fossem enganados, mas concederam penitência mui leve e salvífica ao arrependido.

Mas, como nalguns casos, sempre para o mesmo lado, se tem falado em reincidência (até inexistente) para tentar justificar a fúria justiceira de certas luminárias alcandoradas ao poleiro de uma dita justiça que mais parece, se é que não é, uma charlatanice, pode ser que a Justiça, aquela que faz Justiça, se lembre do facto e, num direito de contrição tão justificado como o do prostituto da morigeração, faça finalmente a Justiça que é Justiça.


E a virgindade do prostituto da morigeração ter-se-á esfumado de vez no acto do seu desfloramento.  

terça-feira, 2 de outubro de 2018

RUI, O DOUTRINADOR


Não duvido de que V. Exª seja Benfiquista. Também não tenho benficómetro. Sei porém, como todos os Benfiquistas sabem, que têm vindo a acontecer alguns factos que eu não compreendo e que V. Exª nunca me ajudou a compreender.

Refira-se que não tem que me prestar quaisquer satisfações.


V. Exª deixou de fazer parte da última lista dos corpos sociais que foi sujeita a sufrágio pelo Benfiquistas. Ninguém mencionou publicamente qual o motivo. Soube-se por uns zunzuns que V. Exº teria exigido ser o elemento nº 2 da Direcção, numa espécie de hierarquia a que aspirava. E que o Presidente, soberano nessas coisas, teria achado descabida tal pretensão e que V. Exª deixaria de ter as características adequados para pertencer aos corpos sociais da lista a sufrágio.

Até aqui, nada demais! V. Exª sempre poderia ter procurado constituir ou tentar proporcionar uma lista concorrente onde os restantes eventuais elementos o considerassem com todas as qualidades e aptidões.

Pelo menos, não apareceu concretizada essa hipótese.

A partir daí, foi-se notando nos comportamentos e nas palavras de V. Exª um certo tipo de ideólogo doutrinador do bem dirigir e do bem actuar nos interesses que considerava os mais adequados ao engrandecimento do Benfica. Foi-se notando concomitantemente um certo tom de azedume da parte de V. Exª, deixando aperceber o desejo de ajustamento de contas pessoais.


V.Exª foi fazendo parte ao longo dos tempos, antes e depois de ser elemento dos corpos sociais do Benfica, de painéis de discussão de aspectos ligados ao futebol. Aí se foi desenrascando, sempre com algumas lacunas perante os restantes elementos do painel. A sua posição não era tentadora. Tinha contra si a santa aliança que se veio a revelar mais tarde e nos tempos que correm como a santa aliança do crime organizado. E tinha ainda contra si um tipo que não apelidarei de jornalista para não ofender a classe dos muito poucos que restam dignos desse nome, tipo esse que reivindicava abusivamente o papel de moderador numa parcialidade não compatível com a pretensão.


No entretanto, a aliança do crime organizado revelou-se sem quaisquer resquícios de puritanismo, no seu esplendor à luz do dia. O Benfica e alguns Benfiquistas foram difamados, injuriados, enlameados, apoucados, ofendidos. E foram-no por gente provadamente criminosa, no actual e no antigamente, armados em inquisidores, acusadores, julgadores e condenadores.

Arrolaram para seus compinchas dos actos criminosos toda uma ralé que tem a pretensão de ser jornalista e de estar ao serviço do jornalismo, mais os insolventes devedores do fisco e do demais que ainda anda oculto. Ralé que apenas calcou todos os poucos que, formados nos princípios jornalísticos e com a coluna vertebral bem calcificada e ancorada no antes quebrar que torcer eivado de honradez, honestidade para consigo, seus princípios, e para com seus leitores, brio e integridade de carácter.


V. Exª continuou no seu posto de painel, bastante mais macio, longe de defender o Glorioso Benfica com o afinco que pretende demonstrar no seu pretensioso aconselhamento da Direcção, eleita por maioria esmagadora. Mais, apresenta-se como um excelente suporte das intenções criminosas que, sendo objectivo delas o esmagamento do Benfica através da divisão e desunião dos Benfiquistas, lhes tem proporcionado incentivo que baste com as suas derivas proporcionadoras de orgasmos nos perpetradores e difusores da acção criminosa empreendida contra o Benfica.

Gostava de lhe ter ouvido um brado, sequer um mugido, contra os julgamentos e a condenação populares que toda essa pandilha do crime organizado orquestrou como bem lhe aprouve, coisa que foi sempre o seu escopo, sabedores de que não há nada que condene “os acusados, julgados e condenados” na praça pública.

Fizeram-no num reconhecimento puro da sua incompetência na gestão dos seus clubes, e V.Exª bem o sabe ou, como Benfiquista, devia saber!


V. Exª vai decerto aborrecer-se com algumas, até agora poucas, insinuações que já deixei despontar. Vai considerar abusivas as presunções conclusivas que se podem ir arremedando dos factos.

Mas repare V. Exª! Por muito inquisidores, investigadores, acusadores e julgadores que pretendam mostrar-se os aliados do crime organizado, nestes incluídos muitos dos ditos jornalistas que apenas espezinham o jornalismo, ainda ninguém do Benfica, nem o Glorioso Benfica, foi julgado e condenado pela Justiça.


Acontece que V.Exª, ainda há pouco no seu pretenso pendor de ideólogo doutrinador do Benfiquismo, se permitiu dirigir ao Presidente do Benfica apresentando a sua máxima presunção: “saber sair é a maior das virtudes”…

Um Benfiquista como eu, que na sua insignificância assume e dá corpo ao princípio da “presunção de inocência”, fica às aranhas sobre qual o motivo que levou V. Exª a apregoar tal máxima! Um mandato sufragado pela esmagadora maioria dos eleitores competentes, que vai a meio ou pouco mais, por que motivo devia agora “saber sairI”?!...

E depois recordei-me!


Tendo V. Exª saído há mais de dois anos, verifico que, afinal ainda não soube sair, ainda se mantém, fala e tenta eleições antecipadas para se candidatar ao lugar, esquecendo-se, possivelmente por descuido de memória, de que “saber esperar é uma virtude”!

Por conseguinte, o seu subido conselho, para além do “não olhes para o que eu faço”, só pode ter tido um motivo plausível.

V. Exª já acusou, julgou e condenou, não direi o Benfica porque não é ele, presumo, o alvo do seu azedume, mas as pessoas que compõem os órgãos sociais, alguns dos quais, penso, chama de “ratos”, julgo que quando se está a ver ao espelho!


V. Exª faz-me lembrar, desculpem as aves palradoras, os “papagaios” que, noutros tempos de miséria por que passou a Instituição desportiva e marca mais distintiva do desporto português, se papagueavam sempre que as plumas eram agitadas pelos ventos da mudança reparadora e glorificadora do Glorioso Benfica!

E fico com a mesma amarga sensação!  

Todos os papagaios que nos foram aparecendo na cantadoria desenxabida não nos apresentaram uma pequeníssima obra que fosse do seu tão inspirado papagueio! Não sei por quê! Pensamos, pensamos, coçamos a cabeça e, não a vendo, também não conseguimos que nos venha à memória uma obrazinha que seja!

Menos ainda, obra uma que estaria ao seu alcance e que era a de uma defesa permanente, acérrima e acutilante do Benfica, deixando sem fala e apavorados não só o dito moderador de pacotilha como os seus parceiros de painel!


Já outros Benfiquistas, ainda não há muito tempo o fizeram! E não só defenderam tudo o que era Benfiquista, incluindo a “cabeça” que V. Exª, à laia da alcateia do crime organizado, quer decapitar para mais fácil decapitar o próprio Benfica!

E sem reivindicarem saídas incongruentes, perigosíssimas para o Glorioso Benfica, e estúpidas!

Ou efémeras famas de galarim que uma Presidência do Benfica sempre lhe poderia proporcionar!

E digo efémeras famas porque tenho muitas dúvidas – é um direito que me assiste, ter dúvidas – de que V. Exª tenha competência e capacidade para fazer mais do que isso!
Mas isso sou eu que sou apenas um pequeno peão no seio da Grandiosa Família Benfiquista!

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

A "VERDADE" DO INSOLVENTE

Certamente que, em reacção à alegada descoberta do possível ou provável ladrão informático da correspondência electrónica e outros documentos do Glorioso Benfica, veio o insolvente parolar:

"as autoridades sabem como tive acesso à informação"

Sabem, acreditamos! 
Nós é que não sabemos quem são essas autoridades!

Se forem os PJotas, Procuradores do MP e Juízes daqueles que fazem parte da dita estrutura de Contumil, daqueles que avisam, "é melhor fugir para Vigo", ou daqueles que acham que a visita telecomandada de um árbitro a casa do "papa" teve como objectivo pedir aconselhamentos matrimoniais a quem nunca respeitou o matrimónio, muda de mulher, casado ou não,  quase todos os dias, esses dirão:

- "foi assim"! ...

Se for a PJ, os Procuradores do MP e Juízes Sérios, Imparciais, que buscam a realidade factual verdadeira, a verdade material, a Justiça que é Justiça, os que fazem da Honra do seu juramento a honestidade do seu carácter e da sua personalidade, esses dirão:

- "foi assado".

O "assado" é que é saboroso para a Justiça que é Justiça e seus amantes incondicionais.
Será, naturalmente e pelo contrário, verdadeiramente insossa para o insolvente e sua comandita, de quem é mero pau mandado e mera carne para canhão, o que o torna acossado por saber que o destino que lhe está reservado é o mesmo que reservaram ao seu parceiro atarracado do sul. Quando for o momento, fazem-lhe a folha e leva os pontapés no traseiro que forem necessários para entrar no terceiro olho do brunalgas.

Parola ainda o insolvente:

"sei que o fcporto não pagou" …

Segundo notícias - "Sport", de Espanha, "The Sun", de Inglaterra, "As", de Espanha, a "Burla", de Portugal - "desviar" dinheiro de bancos e de fundos de investimento - "desviar" é mais chique, roubar é para velhinhas que apanham um pãozito no supermercado porque estão cheias de fome - parece ser um bom tirocínio para assaltar e "desviar" correspondência privada  e outros documentos.
E, segundo o insolvente, parece outra coisa ainda! 
Como o "desviador" já conseguiu uns bons milhares de euros, já pode tornar-se numa espécie de comendador e fazer uma oferenda ao "papa", assim a modos de, "tomai e comei, eis os meus quinhentinhos"... 
Certamente que ele saberá bem que o "papa" gosta de oferendas, tais como, por exemplo, a do Olival e as "esmolas" das Câmaras Municipais amigas do canal televisivo divulgador dos "desvios".
A menos que ladrão - perdão, "desviador" - se tenha deixado roubar! ...
Porque, ladrão que rouba ladrão! …

É que, por mais que o insolvente se esforce, não pega a tese de terem abandonado a criança à sua porta ou à porta da sua camarilha!
Claro, o Chico não pagou, de certeza! Um insolvente é, por definição, um teso que nem esmola a ceguinho pode atender! 

E outras parolices mui interessantes do insolvente que ele farsolou e que são ainda indícios mais consistentes de sentimento de cu apertado:

"sei que os emails existem e são verdadeiros" …

Que os emails existem, todo o mundo sabe! Os seus autores, o Glorioso Benfica e sua SAD, queixaram-se há que tempos de terem sido roubados!
Todo o mundo sabe que os emails existem, nunca ninguém negou essa existência!

E se os donos da correspondência se queixaram do roubo dos emails, isso implica necessariamente que os emails são verdadeiros! E também nunca aqueles negaram o facto!

O que não é verdadeiro é o que o insolvente leu e concluiu. A truncagem do conteúdo para retirar as conclusões falsas, injuriosas, difamatórias, criminosas, que os "nosso", deles, insolvente daí retirou e apregoou! 
Isso é que não é verdadeiro! 
É falso, difamatório, injurioso e criminoso!

Não foi só o Glorioso Benfica que o afirmou! 
Foi também a ERC!
E sem votos contra, todos a favor e uma abstenção!
Mas só depois do esbirro da comandita ter deixado o poleiro, que, enquanto por lá andou, teve a correspondente queixa congelada na gaveta!

Há, todavia, questões ainda mais fundamentais que o insolvente omite!
Mesmo sem ter em conta o meio ilícito e criminoso da obtenção dos emails!
Vejamos:

- Os emails são correspondência privada;
- Tivessem ou não sido obtidos ilicitamente, nunca os emails foram dirigidos ao insolvente ou lhe foi dado consentimento para os divulgar;
- A sua divulgação, feita nos termos em que foi feita, é ilícita, criminosa.

Portanto, o insolvente cometeu, no mínimo - cometeu muitos mais, ele e seus mandantes e acompanhantes - o crime de divulgação de correspondência privada!
E crime  com penas agravadas!


Claro que a folha de couve a que dão o nome de "sábado" dá uma notícia requentada a ver se consegue inverter as percas de audiências que continuam a acentuar-se em todo o grupo em que se insere. E nos outros.
Mas é preciso ler com atenção algumas das suas pretensas notícias!
Vejamos:

- Associa-lhe logo outros casos já passados há anos, do mesmo hacker, que atingiram outros clubes, tudo para disfarçar, pondo no mesmo saco coisas tão diametralmente diferentes. Não houve roubo de correspondência privada divulgada criminosamente por um qualquer adversário desportivo, entre outras coisas;

- Divulgou, mais uma vez, notícias de assuntos que estão em segredo de justiça, violando-o como sempre o tem feito.

Depois, tenha-se em conta que isto pode ser uma mera cortina de fumo para branquear e baralhar as investigações e as provas do roubo informático.

Com efeito, é sabido que o Glorioso Benfica interpôs contra a Google, nos USA, uma acção judicial em que são já identificados alguns hackers.

E a folha de couve, "sábado", "domingo", ou outro dia da semana qualquer, quer-nos fazer acreditar que há só um hacker?!
Duvidamos muito!

Consequentemente, Benfiquistas, continuem a fazer afundar as tiragens duma comunicação social de estrumeira e tenham sempre à mão o manguito! Os Benfiquistas não são comidos por parolos!

Para consolo da Enorme Família Benfiquista e do Glorioso Benfica!



terça-feira, 4 de setembro de 2018

O BOLOR SALAZARISTA

A substância da decisão do IPDJ que pretende punir o GLORIOSO BENFICA, que é o que essencialmente interessa, assenta, segundo aquele Instituto Estatal, em factos ocorridos nos seguintes jogos:
- Benfica-Guimarães, de 13 de Maio de 2017 que podia dar o Tetracampeonato;
- Benfica-Braga, de 9 de Agosto de 2017;
- Benfica-Belenenses, de 19 de Agosto de 2017;
- Benfica CSKA, de 12 de Setembro de 2017;
- Benfica-Braga, de 20 de Setembro de 2017;
- Benfica-Nacional da Madeira, de 16 de Maio de 2016, que deu o tricampeonato;
- Benfica-Besiktas, de 13 de Setembro de 2016.

Descrevendo os "alegados factos", diz o escriba justiceiro:

- No dia 13 de Maio de 2017, quando o Benfica festejou o seu primeiro Tetra, estariam mais cerca de 200 espectadores do que o número máximo permitido e alguns deles terão festejado efusivamente o primeiro de cinco golos num sector próximo da claque do Vitória de Guimarães, sem nota de perturbações da ordem pública; 
- No dia 9 de Agosto de 2017 os grupos (não organizados) de adeptos Diabos Vermelhos e NN Boys ostentavam faixas como "Demasiado Fiéis para Desistir"; "Honra Agora os Ases que nos honraram o passado"; E Pluribus Unum Sport Lisboa e Benfica; O Glorioso desde 1904". Tais adeptos apresentavam uma atitude irreverente e prepararam uma coreografia do Estádio da Luz;

- Nas outras ocasiões descritas pelos salazarentos com paranoia de justiceiros, dispensa-se a ligação dos factos aos acontecimentos descritos e às suas respectivas datas. Basta a descrição dos "alegados factos" para fazer sobressair o ridículo inimaginável em pretensos decisores de normas jurídicas de que nada percebem. Mas também não era esse - ou seria mesmo! - o objectivo.
Eis as "pérolas" que abrilhantam o aprofundamento cada vez maior da estupidez:

- Tais adeptos proferiram expressões como "ilegais Allez";
- Houve uma empresa prestadora de serviços que auxiliava na afixação de faixas e colocação de bandeiras; 
- uma das faixas apresentava os lábios e a língua estilizados associados à banda rock Rolling Stones, identificado no processo como  um motivo de irreverência;
- Sobre o varandim da maratona Sul foi afixado um escudo nacional que simboliza o clube nacional em título;
- É exibida a esfínge de Cosme Damião, um dos fundadores do Sport Lisboa e Benfica;
- A colocação destes elementos foi apoiada por colaboradores;
- Durante o jogo ouvem-se tambores e megafones;
- São expostas faixas com alusões de adeptos a várias zonas do País;
- Foi facilitada a entrada de um adepto menor de 18 anos que não tinha comprado bilhete;
- No dia do tricampeonato terão sido localizadas algumas latas de cerveja no interior do estádio;
- Os grupos de adeptos não estão constituídos em associação;
- Tais alegações permitem concluir que a Sport Lisboa e Benfica SAD se conforma e apoia a existência de "Grupos Organizados de Adeptos não devidamente organizados".

Não interessam verdadeiramente outras considerações tecidas pelos salazarentos justiceiros, candidatos novos pides. Elas só afundam ainda mais a mixórdia, enchem a  sua fossa da porcaria mais fedorenta e tornam o ar irrespirável. Para cheiro nauseabundo já chegam as bufas do "papa" e do terceiro olho do brunalgas.
Destacar apenas umas considerações mais de nossa autoria.

Escrevem os salazarentos justiceiros, a certa altura, em «alegados» factos. 
Eu diriam que não se trata de «alegados»!
Trata-se de FACTOS, de facto! É que os salazarentos justiceiros estão, de princípio a fim, a revelar-nos, apenas e só, DELÍRIOS
E estes DELÍRIOS são FACTOS … apesar de … DELÍRIOS!

Não existe Lei material nenhuma que obrigue ou possa obrigar grupos organizados em ASSOCIAÇÃO, como os salazarentos justiceiros pretendem para ficarem bem visto perante as alarves estocadas de "pontífices" gps.s da Madalena, seus "cardeais", "bispos" e "padres" da milícia dourada de Contumil, mais as estocadas do terceiro olho de brunalgas e seus prosélitos mal agradecidos que o abandonaram quando ele não soube manter a mama partilhada!

O DIREITO DE ASSOCIAÇÃO, conquistado depois de muito esforço e sacrifício mas com grande satisfação, foi uma conquista fundamental do 25 de Abril de 1974!
Esse DIREITO DE ASSOCIAÇÃO, direito fundamental dos cidadãos, engloba tanto o DIREITO A ASSOCIAR-SE, como o DIREITO A NÃO SE ASSOCIAR!

Então, se vários, podem ser muitos, vizinhos e amigos decidirem, por exemplo, ir a um convívio, assistir a um evento - v.g, tipo concerto num estádio de futebol - têm de constituir-se previamente em ASSOCIAÇÕ?!  

O que os salazarentos justiceiros pretendem é ANTICONSTITUCIONAL!
E quem o afirma são todos os grandes constitucionalistas portugueses mas de renome internacional!

Dizem-se os mesmos salazarentos justiceiros que as - delirantes - punições se enquadram na Lei nº 39/2009, de 30 de Julho que visa "o combate à violência, à xenofobia e à intolerância nos espectáculos desportivos".
Por isso, a actuação descrita nos delírios factuais, acrescentam, "preocupa qualquer cidadão bem formado, pois está em causa a violação de uma lei essencial para prevenir ocorrências anti-sociais" …

Agora compreende-se melhor! Aquelas "claques" que se vangloriam de estar "legalizadas", estão, de facto, "legalizadas para, por exemplo:
- incendiar estádios de futebol;
- assaltar Centros de Estágio dos Árbitros, ameaça-los e aos seus familiares;
- invadir campos de futebol e agredir jogadores adversários;
- assaltar de cara tapada e arriar pancadaria em jogadores e treinadores;
- invadir estádios de futebol com o "argumento" de uma pequena rachinha - que travestis! - na parede numa casa de banho só porque, desportivamente, a coisa está mesmo a correr mal;
- ofender Instituições desportivas adversárias que nada têm que ver com o espectáculo a decorrer;

Estão legalizadas para serem impunes!

E os actos "legalizados" são tantos e tão conhecidos que é maçada descrevê-los todos.  

O que não deixa de ser curioso é que este salazarismo bolorento, que nem os métodos pidescos despreza, se pratica numa Instituição do Estado que está a ser governado por um Governo cujos elementos fundamentais e princípios ideológicos muito se bateram para lhe pôr fim.  



BENFIQUISTAS, os ataques ao GLORIOSO BENFICA por parte de toda esta escória não nos fazem mossa. Basta que nos mantenhamos unidos e os combatamos com a lembrança dos, esses, sim, crimes que cometeram.
Assim sendo, são cãozoada que ladra e ladra porque não sabe fazer mais nada!
Mas a caravana do GLORIOSO BENFICA passa sempre, intocável e altiva! 
O cão só consegue manter-se cá por baixo, rastejando! Não é capaz de mais!
A ÁGUIA GLORIOSA E ALTANEIRA voa pelos CÉUS sem fim! 
E BICA! 
 













sábado, 1 de setembro de 2018

AI, O NERVOSISMO DA DERROTA


ENTÃO, RAPAZ AÍ DEBAIXO, PORTUGUÊS DE GEMA, NÃO PRECISAS FICAR TÃO NERVOSO SÓ PORQUE SABES QUE VAIS PERDER!

FAIR PLAY TAMBÉM É PRECISO!

A DIGNIDADE ASSUME-SE TANTO NAS VITÓRIAS COMO NAS DERROTAS!

E A SOLIDARIEDADE DIGNIFICA QUEM A APREGOA E PRATICA!

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

O TERCEIRO OLHO DO BRUNALGAS É MESMO RIDÍCULO


«É importante mudar a mentalidade, fazer os atletas acreditarem que, com trabalho, podem chegar longe. Não passa por comprar atletas, naturalizar atletas… Isso é ridículo!», atirou, em alusão à naturalização do cubano Pedro Pablo Pichardo, português desde o final de 2017, que representa o clube rival, o Benfica.




O TERCEIRO OLHO DO BRUNALGAS ESTÁ CADA VEZ MAIS BADALHOCO E BARDAMERDAS.

VEJAM SÓ UM ANALFABETO E IGNORANTE QUE, TENDO NASCIDO NA COSTA DO MARFIM, FILHO DE MÃE COSTAMARFINENSE E DE PAI CABOVERDEANO, PRECISAMENTE …


NATURALIZOU-SE PORTUGUÊS!


ÉS UMA MERDA NATURALIZADA QUE NÃO RESPEITAS O PAÍS QUE TE ACOLHEU!

MAS QUEM PODE EXIGIR A UM BARDAMERDAS DESTE QUE SAIBA O QUE É RESPEITO?!!!

NEM A UM ESPELHO PORTUGUÊS MERECES VER A TUA BARDAMERDA! 

TU, QUE NÃO PASSAS DE UM EXCREMENTÍCIO  DO TERCEIRO OLHO DO BRUNALGAS