terça-feira, 2 de outubro de 2018

RUI, O DOUTRINADOR


Não duvido de que V. Exª seja Benfiquista. Também não tenho benficómetro. Sei porém, como todos os Benfiquistas sabem, que têm vindo a acontecer alguns factos que eu não compreendo e que V. Exª nunca me ajudou a compreender.

Refira-se que não tem que me prestar quaisquer satisfações.


V. Exª deixou de fazer parte da última lista dos corpos sociais que foi sujeita a sufrágio pelo Benfiquistas. Ninguém mencionou publicamente qual o motivo. Soube-se por uns zunzuns que V. Exº teria exigido ser o elemento nº 2 da Direcção, numa espécie de hierarquia a que aspirava. E que o Presidente, soberano nessas coisas, teria achado descabida tal pretensão e que V. Exª deixaria de ter as características adequados para pertencer aos corpos sociais da lista a sufrágio.

Até aqui, nada demais! V. Exª sempre poderia ter procurado constituir ou tentar proporcionar uma lista concorrente onde os restantes eventuais elementos o considerassem com todas as qualidades e aptidões.

Pelo menos, não apareceu concretizada essa hipótese.

A partir daí, foi-se notando nos comportamentos e nas palavras de V. Exª um certo tipo de ideólogo doutrinador do bem dirigir e do bem actuar nos interesses que considerava os mais adequados ao engrandecimento do Benfica. Foi-se notando concomitantemente um certo tom de azedume da parte de V. Exª, deixando aperceber o desejo de ajustamento de contas pessoais.


V.Exª foi fazendo parte ao longo dos tempos, antes e depois de ser elemento dos corpos sociais do Benfica, de painéis de discussão de aspectos ligados ao futebol. Aí se foi desenrascando, sempre com algumas lacunas perante os restantes elementos do painel. A sua posição não era tentadora. Tinha contra si a santa aliança que se veio a revelar mais tarde e nos tempos que correm como a santa aliança do crime organizado. E tinha ainda contra si um tipo que não apelidarei de jornalista para não ofender a classe dos muito poucos que restam dignos desse nome, tipo esse que reivindicava abusivamente o papel de moderador numa parcialidade não compatível com a pretensão.


No entretanto, a aliança do crime organizado revelou-se sem quaisquer resquícios de puritanismo, no seu esplendor à luz do dia. O Benfica e alguns Benfiquistas foram difamados, injuriados, enlameados, apoucados, ofendidos. E foram-no por gente provadamente criminosa, no actual e no antigamente, armados em inquisidores, acusadores, julgadores e condenadores.

Arrolaram para seus compinchas dos actos criminosos toda uma ralé que tem a pretensão de ser jornalista e de estar ao serviço do jornalismo, mais os insolventes devedores do fisco e do demais que ainda anda oculto. Ralé que apenas calcou todos os poucos que, formados nos princípios jornalísticos e com a coluna vertebral bem calcificada e ancorada no antes quebrar que torcer eivado de honradez, honestidade para consigo, seus princípios, e para com seus leitores, brio e integridade de carácter.


V. Exª continuou no seu posto de painel, bastante mais macio, longe de defender o Glorioso Benfica com o afinco que pretende demonstrar no seu pretensioso aconselhamento da Direcção, eleita por maioria esmagadora. Mais, apresenta-se como um excelente suporte das intenções criminosas que, sendo objectivo delas o esmagamento do Benfica através da divisão e desunião dos Benfiquistas, lhes tem proporcionado incentivo que baste com as suas derivas proporcionadoras de orgasmos nos perpetradores e difusores da acção criminosa empreendida contra o Benfica.

Gostava de lhe ter ouvido um brado, sequer um mugido, contra os julgamentos e a condenação populares que toda essa pandilha do crime organizado orquestrou como bem lhe aprouve, coisa que foi sempre o seu escopo, sabedores de que não há nada que condene “os acusados, julgados e condenados” na praça pública.

Fizeram-no num reconhecimento puro da sua incompetência na gestão dos seus clubes, e V.Exª bem o sabe ou, como Benfiquista, devia saber!


V. Exª vai decerto aborrecer-se com algumas, até agora poucas, insinuações que já deixei despontar. Vai considerar abusivas as presunções conclusivas que se podem ir arremedando dos factos.

Mas repare V. Exª! Por muito inquisidores, investigadores, acusadores e julgadores que pretendam mostrar-se os aliados do crime organizado, nestes incluídos muitos dos ditos jornalistas que apenas espezinham o jornalismo, ainda ninguém do Benfica, nem o Glorioso Benfica, foi julgado e condenado pela Justiça.


Acontece que V.Exª, ainda há pouco no seu pretenso pendor de ideólogo doutrinador do Benfiquismo, se permitiu dirigir ao Presidente do Benfica apresentando a sua máxima presunção: “saber sair é a maior das virtudes”…

Um Benfiquista como eu, que na sua insignificância assume e dá corpo ao princípio da “presunção de inocência”, fica às aranhas sobre qual o motivo que levou V. Exª a apregoar tal máxima! Um mandato sufragado pela esmagadora maioria dos eleitores competentes, que vai a meio ou pouco mais, por que motivo devia agora “saber sairI”?!...

E depois recordei-me!


Tendo V. Exª saído há mais de dois anos, verifico que, afinal ainda não soube sair, ainda se mantém, fala e tenta eleições antecipadas para se candidatar ao lugar, esquecendo-se, possivelmente por descuido de memória, de que “saber esperar é uma virtude”!

Por conseguinte, o seu subido conselho, para além do “não olhes para o que eu faço”, só pode ter tido um motivo plausível.

V. Exª já acusou, julgou e condenou, não direi o Benfica porque não é ele, presumo, o alvo do seu azedume, mas as pessoas que compõem os órgãos sociais, alguns dos quais, penso, chama de “ratos”, julgo que quando se está a ver ao espelho!


V. Exª faz-me lembrar, desculpem as aves palradoras, os “papagaios” que, noutros tempos de miséria por que passou a Instituição desportiva e marca mais distintiva do desporto português, se papagueavam sempre que as plumas eram agitadas pelos ventos da mudança reparadora e glorificadora do Glorioso Benfica!

E fico com a mesma amarga sensação!  

Todos os papagaios que nos foram aparecendo na cantadoria desenxabida não nos apresentaram uma pequeníssima obra que fosse do seu tão inspirado papagueio! Não sei por quê! Pensamos, pensamos, coçamos a cabeça e, não a vendo, também não conseguimos que nos venha à memória uma obrazinha que seja!

Menos ainda, obra uma que estaria ao seu alcance e que era a de uma defesa permanente, acérrima e acutilante do Benfica, deixando sem fala e apavorados não só o dito moderador de pacotilha como os seus parceiros de painel!


Já outros Benfiquistas, ainda não há muito tempo o fizeram! E não só defenderam tudo o que era Benfiquista, incluindo a “cabeça” que V. Exª, à laia da alcateia do crime organizado, quer decapitar para mais fácil decapitar o próprio Benfica!

E sem reivindicarem saídas incongruentes, perigosíssimas para o Glorioso Benfica, e estúpidas!

Ou efémeras famas de galarim que uma Presidência do Benfica sempre lhe poderia proporcionar!

E digo efémeras famas porque tenho muitas dúvidas – é um direito que me assiste, ter dúvidas – de que V. Exª tenha competência e capacidade para fazer mais do que isso!
Mas isso sou eu que sou apenas um pequeno peão no seio da Grandiosa Família Benfiquista!

4 comentários:

  1. Curto forte e grosso ... Assim os verdadeiros benfiquistas começam a estar fartos deste circo antivieira

    ResponderEliminar
  2. Um texto de se lhe tirar o chapéu arrasar um ressabiado ou um troca tintas nunca é demais forçaaaaa Benficaaa forçaaaaa Benficaaa

    ResponderEliminar
  3. Parabens pelo seu artigo. Nao tendo a sua capacidade de analise e escrita so posso dizer que me revejo nele a 100%.
    Obrigado. SLB SEMPRE!!!

    ResponderEliminar
  4. O rui gomes da sic é um verme, invejoso, gabarolas, com queda para o ridículo cada vez que se quer armar em engraçado, é um politiqueiro, demagogo. Tem exactamente todos os defeito do bruno de parvalho, menos um, é um puco mais educado, de resto é igual!! Pensa que é o maior e não têm a mínima noção dos seus limites intelectuais. É um perigo a gerir seja o que for. Nem um carrinho de pipocas numa feira, quanto mais um clube.

    ResponderEliminar